sexta-feira, 17 de julho de 2009

Entressafra

Segunda-feira, dia 13 de julho, foi o Dia Mundial do Rock. Vez ou outra surge aquele coro anunciando sua morte. Mesmo fora da grande mídia, ele segue firme e forte.

Acho até melhor esse ostracismo involuntário. Pelo menos ficamos sabendo quem gosta de verdade. Porém, um fato me preocupa: a falta de ídolos para as novas gerações. Dei uma passada na Galeria hoje e o que predomina nas camisetas são bandas de mais de 15 anos.

Nesta década, não surgiu nada tão bom que pudesse fazer frente aos grandes nomes do passado. E, sem renovação, os mais jovens estão condenados a ouvir uma música cada vez mais velha.

Não que eu tenha alguma coisa contra. Muitíssimo pelo contrário. Quem me conhece sabe disso. Talvez faltem veículos de divulgação – adoro a Kiss FM, mas ela toca pouca coisa recente. Ou, talvez seja um período de entressafra mesmo.

Sei lá. Enquanto isso vou vasculhando meu baú (e a internet, por que não?) pra ver se descubro novos sons antigos. E velhas coisas atuais.

3 comentários:

Montanha disse...

Arrasou João.É isso mesmo, novos sons antigos ou velhas coisas atuais.

Precisamos de sangue novo.

Montanha

Patrick Mesquita disse...

Olha João isso é mais do que certo! Faltam novos ídolos no rock! As bandas novas não agradam muito porque são péssimas cópias dos grandes nomes. Então pra que ouvir o novo se o velho é melhor? Ótima reflexão...ela é perfeita!

Mi disse...

Tem razão e, se me permite, acrescento que não é apenas de bons múscicos, que nossos jovens estão órfãos. Há 40 anos eles tinham um objetivo maior, utopias... Quais são os sonhos dessa geração? Que ideias fazem suas cabeças? Qual realidade toca seus coraçôes? Sonho com uma juventude mais presente, que carregue sonhos e esperanças!

Parabéns pela reflexão...
Bjs