sexta-feira, 26 de junho de 2009

Fora de série

Existem apenas dois caminhos para os artistas mirins, aqueles que iniciam suas carreiras muito cedo, ainda na infância. Ou piram após caírem no ostracismo, ou piram quando o sucesso continua. Este foi, infelizmente, o caso de Michael Jackson. Conheço pouquíssimas exceções. Mas, não me lembro de nenhuma agora.

Michael Jackson foi cria da enorme fábrica de talentos chamada Motown. Gostava dele com seus irmãos no Jackson 5. Porém, quando chegou sua fase Thriller, eu estava completamente ligado em Rock e, odiá-lo era um de meus esportes preferidos. Passado este período de intolerância, pude entender o tamanho da sua importância. O Rei do Pop era um fora de série.

Em que momento de sua conturbada vida, Michael pirou? Talvez durante aqueles exaustivos ensaios forçados pelo seu pai tirano. Talvez pelo sucesso excessivo e precoce, que já vez vítimas como Macauley Culkin. O fato é que suas atitudes estranhas arranharam sua imagem e sua carreira.

Quando um artista morre, suas qualidades acabam sendo superestimadas. Aconteceu com Elvis, que na época estava praticamente esquecido e decadente. Lembro-me de uma prima que virou sua fã da noite para o dia e que engravidou logo após a morte do Rei do Rock. Se fosse homem, seu filho chamaria-se Elvis Sérgio. Graças à Deus, nasceu Priscila. Com Michael Jackson, sem dúvida, acontecerá o mesmo.

Mesmo com todos os problemas, ninguém nunca poderá negar seu carisma e sua qualidade musical. Melhor guardar na memória seus grandes momentos: o moonwalk, clipes históricos como Thriller e Black or White e grandes canções como Beat It e Billie Jean.

2 comentários:

Montanha disse...

Isso mesmo. A partir de agora, tudo mudará em relação ao "antes e depois" de Michael Jackson. Belo texto.

Montanha

Mi disse...

Olha quem fala? Você é que escreve muito bem...

Estou apenas no começo, espero aprender muito ainda! Obrigada pelas palavras...


Té Mais