sábado, 25 de abril de 2009

MÚSICA

O que é uma música boa pra você? Este foi o mote de um pequeno debate, ontem à noite, pouco antes da aula de Legislação (aliás, ótima). Pode parecer desnecessário ou um pouco ingênuo, mas a pergunta traz vários questionamentos e reflexões. Afinal, a velha máxima do senso comum nos diz que “gosto não se discute”.

Mas, para mim é possível discutir o assunto, sim. Mesmo que a conclusão seja a de que, como na religião, ele é absolutamente individual. Enquanto para alguns, a boa música depende da técnica apurada, da qualidade dos músicos, para mim a boa música é aquela que entra pelos meus ouvidos, passa pelo filtro e desce redondo. Simples assim.

Pode ser pelo que ela que diz de relevante, ou, simplesmente pela melodia. Para mim, pouco importa se toca ou não no rádio. Hoje existe aquele discurso comum que diz, “gosto de tudo um pouco”. Acho meio difícil. Parece que a mídia formadora de opinião continua ditando regras. Mas, tenho bem claras as minhas preferências. O que, às vezes, pode parecer teimosia.

A discussão pode tomar outros rumos. Acredito que a preferência por um gênero musical tem a ver com a personalidade da pessoa (existem alguns estudos sobre o assunto). Me parece que quem gosta de rock tem uma alma mais inconformada, às vezes perturbada, um quê de revolucionário. Os sambistas são mais bem humorados, conformistas. Parece que tudo está sempre bem para eles. Quem curte música sertaneja é, sem dúvida, mais romântico. E por aí vai.

O fato é que, atualmente, tento ter uma postura mais independente em relação aos produtos da indústria cultural. Tudo bem, não dá pra ser totalmente imune ao bombardeio a que somos expostos todo momento. Mas, procuro deixar meu senso crítico sempre aguçado. O que não me serve ou não me agrada, mesmo que a maioria esteja consumindo, é descartado.

Não importa de que música você gosta ou toca. Se você é músico ou não. Se o que você quer é se emocionar, soltar seus demônios interiores, protestar, ou, simplesmente se divertir. O importante é que sua relação com ela seja sincera e verdadeira. Ela faz parte da humanidade desde os tempos imemoriais. É o tempero da minha vida. E não consigo imaginá-la sem esse ingrediente fundamental chamado música.

4 comentários:

Montanha disse...

Esta foi a melhor definicção:
"para mim a boa música é aquela que entra pelos meus ouvidos, passa pelo filtro e desce redondo. Simples assim".

Aliás, discussões como esta, precisamos fazer todos os dias...

Belo texto,

Montanha

Carina Barros disse...

João,

A música, para mim, deve emocionar, tocar a alma.

Muitas me invadem a alma, algumas me decepcionam.

Não vivo sem ela. Em casa, no trabalho. Sempre a escuto.

Todos os momentos marcantes da minha vida estão ligados a uma música.

Essa discussão é sempre válida.

Ah! Respondendo a sua pergunta, gosto de rock. Não o que se tem feito hoje, salvo certas exceções.
Gosto do rock das antigas...

Beijos e até mais...

Grupo Brugnara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberto Fávaro disse...

Grande João!

Música é uma necessidade social e personalíssima dos seres humanos. Toda cultura tem a sua, em todos os lugares do planeta.

Com essa história de aldeia global, formatamos estilos e padrões musicais, que ao meu ver é uma forma do mercado empurrar muita coisa aos nossos ouvidos.

Para você ver, eu amo o Rock´n Roll, e isso é produto de uma cultura da qual não pertenço. Lennon começou a fazer músicas quando foi no cinema e ouviou músicas do Elvis Presley! Ninguém está imune. Poucos sabem que só o Brasil tem 35 ritmos distintos e particulares, e isso não é pouca coisa.

Sou músico e acho muito importante o lado técnico, mas como conversamos no intervalo, a interpretação de música é muito individual, ninguém recebe o impacto da mesma forma, mas o objetivo final é a emoção e os sentidos. Viva às canções deste mundo!

Grande Abraço!
PS: Tem texto novo no meu blog. Vai pulular por lá!